Anosmia

Anosmia tem tratamento cirúrgico

A anosmia é a perda do olfato, ou seja, perda da capacidade de sentir o cheiro. Ela pode ser um problema por si só ou um sintoma de outra complicação na saúde, podendo durar pouco tempo ou ser permanente, e também pode ser parcial ou completa, embora esta última seja mais rara.

A anosmia acomete 19% da população em geral e pode ser causada pela irritação temporária ou permanente e pela destruição das membranas mucosas que revestem o interior do nariz. Pode ocorrer devido a sinusite aguda, resfriado comum, gripe e rinite alérgica ou não alérgica. Também pode ser causada por algum material físico bloqueando o fluxo de ar através do nariz como deformidades ósseas, pólipos nasais e tumores.

Existem alguns fatores que podem contribuir com o surgimento do problema, como a idade avançada, aneurisma ou tumor cerebral, exposições químicas a determinados inseticidas ou solventes, diabetes, radiação, rinoplastia ou lesão traumática cerebral. O hábito de fumar para adultos com mais de 60 anos, e a idade avançada, aumentam as chances de desenvolver a anosmia.

O diagnóstico é dado através de exames de sensibilidade a odores, ressonância do cérebro, raio-x do crânio, endoscopia nasal e de sangue para poder avaliar as possíveis causas do problema.

Tratamento da Anosmia

O tratamento da anosmia depende de sua causa. Se o problema ocorrer por um resfriado, gripe, alergia ou sinusite, ele normalmente se cura por conta própria em poucos dias. Porém, em casos mais graves, é recomendado que se faça uma intervenção cirúrgica.

O tratamento oferecido em nossa clínica consiste na neurotização da mucosa nasal. Enxertos de nervos surais, retirados das pernas, são colocados por dentro do nariz, abaixo da mucosa nasal, e conectados na lateral do nervo supraorbitário. Depois de alguns meses, devido à neuroplasticidade cerebral, ocorre o reconhecimento da nova conexão e o olfato vai sendo gradativamente recuperado. A cirurgia é realizada com anestesia geral e dura aproximadamente 3 horas.

Mais detalhes no artigo publicado na revista European Journal of Plastic Surgery, em dezembro de 2018.

(https://link.springer.com/article/10.1007/s00238-018-1426-z)