Mamoplastia

Mamoplastia Redutora

A redução do tamanho da mama é uma das cirurgias mais procuradas em nosso país. Diversas técnicas foram desenvolvidas oferecendo forma bonita à nova mama aliadas a pequenas cicatrizes.

Outro detalhe técnico que consideramos importante é oferecer algo que possa se contrapor à ação da gravidade. Há 30 anos vimos utilizando a técnica com fita de músculo peitoral, introduzida por Milton Daniel. Esta tem a finalidade de diminuir os efeitos da gravidade e consequentemente a tendência da mama cair novamente. Após 15 dias deve-se iniciar exercícios para este músculo.

Quanto a cicatriz, temos empregado três alternativas, cicatriz areolar, vertical ou “T” invertido, conforme a flacidez cutânea e hipertrofia das mamas.

Todo o material retirado é enviado para exame anátomo-patológico permitindo diagnóstico precoce de pequenos nódulos ou outras alterações da glândula mamária.

A anestesia é geral. A paciente pernoita no hospital e recebe alta no outro dia. Após 10 a 15 dias pode retornar ao trabalho.
Os pontos são retirados após 14 dias. Exercícios com os braços e sol são liberados a partir de 60 dias.

Mamoplastia de Aumento (Silicone)

As mulheres que têm as mamas muito pequenas poderão se beneficiar do implante de silicone mamário. Sob anestesia geral os pacientes são submetidos a uma incisão no sulco mamário, ou seja, na dobra embaixo da mama e por ali se descola e cria-se espaço adequado para a introdução da peça de silicone.

O implante mamário pode ser redondo ou “em gota”, também conhecido como perfil natural. Ele poderá ter projeção alta ou extra alta, a depender do tórax e da preferência do paciente.

Recomenda-se realizar anualmente exame de ultrassom mamário para controle. O paciente deverá fazer repouso relativo com os braços evitando elevá-los durante duas semanas para evitar o aparecimento de hematomas ou seromas.

O paciente deverá usar sutiã adequado que permita uma suave compressão em toda a área operada por dois meses.

É importante que o implante seja substituído a cada 8 anos.

O silicone pode favorecer o aparecimento de doenças autoimunes ou mesmo de tumores mamários.