Cirurgia de queixo

Cirurgia de queixo

O queixo é estrutura importante no perfil da face. Ele não pode estar nem muito projetado e nem pouco projetado.

Nos pacientes que têm pouca projeção do queixo o tratamento pode ser feito com implante de silicone sólido ou polietileno poroso (Porex).

Casos um pouco mais graves realiza-se corte no osso (base da mandíbula) e avanço.

Pode-se também realizar a técnica, por nós criada, de mentoplastia de deslizamento. Nesta cirurgia não se usa implantes ou cortes no osso, apenas descolamento abaixo do periósteo até abaixo da mandíbula. São aplicados três pontos trazendo a porção inferior de forma a elevá-la. A incisão é no lábio inferior, por dentro da boca e a cicatriz fica visível. Na maioria dos casos, esta técnica permite boa projeção.

Nos casos em que a altura do queixo é pequena e ele precisa ser também avançado, pode-se usar implantes de silicone ou fazer osteotomia, ou seja, corte no osso na porção inferior da mandíbula. Essa porção óssea liberada é tracionada e fixada anteriormente, permitindo um aumento não só da projeção, como também da altura do queixo.

Aqui também as cicatrizes são internas, ou seja, dentro da boca.

Os casos em que o queixo está muito projetado, ou seja, muito avançado e a “mordida”, relação interdentária, está adequada, o tratamento é feito apenas com desgaste ósseo na extremidade do queixo diminuindo a sua projeção.

Quanto os dentes inferiores estão muito na frente dos dentes superiores (prognatismo), o tratamento é feito com osteotomia (corte) na mandíbula na sua parte proximal e colocação dela pará trás, alcançando-se assim uma relação interdentária adequada. Procedimento inverso, ou seja, anteriorização o avanço da mandíbula é realizado para tratar casos onde o dentes inferiores estão muito atrás dos dentes superiores (retrognatismo).

Viterbo, F.; Brock, R. S. “Gliding Mentoplasty: A new Technique”.  Aesthetic Plastic Surgery.  Volume 37, Number 6, p. 1120-1127, dezembro 2013