De Segunda à Sexta – Das 08h às 18h

Paralisia Facial

Paralisia Facial

A paralisia facial tem várias causas, podendo ser congênita, idiopática, traumática, decorrente de sequela de cirurgia oncológica ou otite média (infecção de ouvido).

A mais frequente é a paralisia idiopática ou de Bell, como é conhecida. Ocorre devido ao edema do nervo facial no interior do canal ósseo no osso petroso maior. É em geral causada por vírus do tipo Herpes.

As técnicas mais utilizadas atualmente para reanimação da face paralisada são o “Cross-face nerve graft”, a transposição de músculo temporal, a neurorrafia entre o nervo hipoglosso e nervo facial lesado e o transplante microcirúrgico de músculo grácil.

Nossa preferência para paralisias recentes é o “Cross-face nerve graft” com neurorrafia término-lateral. Isto significa a colocação de um ou dois enxertos de nervo sural ligando o nervo facial normal com o nervo paralisado, sem secção (lesão) em nenhum destes nervos.
Nos casos de paralisias antigas utilizamos, quando não existe a chance de reinervar os músculos devido a atrofia permanente, a transposição ortodrômica do músculo temporal. O tendão do músculo temporal é alongado com enxerto de fáscia lata que é fixada aos lábios. Assim, para sorrir, o paciente realiza pequeno movimento de mordida, contraindo o músculo temporal e tracionando o canto da boca, realizando o movimento de sorriso. Depois de alguns meses o movimento de sorriso torna-se automático e o paciente não precisa mais morder.

A paralisia congênita, ou seja, detectada ao nascimento, pode ser uni ou bilateral. O tratamento é iniciado imediatamente com eletroestimulação de baixa intensidade para impedir a atrofia dos músculos comprometidos. Após os dois ou três anos de idade o paciente já pode ser submetido à cirurgia com colocação de enxertos de nervos para reinervar os músculos paralisados.

Uma das mais graves situações em paralisia facial congênita é a Síndrome de Möebius, onde, além da face, o movimento dos olhos, a posição dos pés, entre outros, podem estar afetados.

Da mesma forma, em paralisia congênita, nos casos vistos com idades mais levadas, utilizamos a transposição ortodrômica do músculo temporal.

No pós-operatório é importante a participação do fonoaudiólogo para o auxiliar o treinamento para o retorno do sorriso.

As pálpebras, na maioria dos casos, podem também estarem paralisadas. A impossibilidade de fechar a pálpebra superior pode causar ressecamento, úlceras de córnea e até perfuração do globo ocular. O tratamento mais utilizado em nossa clínica é a colocação de uma pequena peça de ouro, com peso determinado conforme cada caso. A cirurgia é feita com anestesia local e o resultado é imediato, permitindo piscar e fechar as pálpebras já no outro dia. A pálpebra inferior pode, em casos mais graves, apresentar “ectropium” do globo ocular, ou seja, estar mais baixa da posição normal e afastada do globo ocular. A correção é feita pala cirurgia conhecida como “tarsal strip”, onde uma fita do tarso, cartilagem que compõe a borda palpebral, é tracionada e fixada superiormente na margem orbital.

Viterbo, F.; de Paula Faleiros, H. R.  “Orthodromic transposition of the muscle for facial paralysis: made easy and better”. J. Craniofacial Surg., 16(2): 306-309, março 2005.

Viterbo, F.; Romão, A.; Brock, R.S.; Joethy, J. “Facial Reanimation Utilizing Combined Orthodromic Temporalis Muscle Flap and End-to-Side Cross-Face Nerve Grafts”. Aesthetic Plast Surg, 38(4): 788-795, junho 2014.

 

pt_BR